Mais um sucesso

O Aeroporto de Beja vai de vento em popa!

Já teve um voo para Cabo-Verde e terá outro para Londres em Maio!
Talvez mais para 2012!

Terá sido mais uma ideia empreendedora do Paulo Futre?

Anúncios

Se não fosse a Pirataria, ainda hoje eu não conhecia os Beatles!

Se não fosse a partilha de conteúdos, ainda hoje era um tótózinho que apenas conhecia o TOP+ e os jogos da 1a Liga!
Muita música e conteúdos que me foram partilhados ajudaram a definir a minha personalidade e a conhecer muitas coisas que caso fosse necessário gastar dinheiro, teria sido impossível. Possivelmente, sem a pirataria, em vez de ter feito viagens, conhecido pessoas e experimentado um monte de coisas, seria um tótó que só conhece Futebol, BigShowSic e o Rambo.

1- Parte dos conteúdos que ajudaram a definir-me, a crescer e a pensar não existem à venda por aí e/ou são caros.
2- Porque muitos conteúdos são consultados apenas uma vez, em seguida teria que os vender, o que nem sempre te sido fácil.
3- Porque se fizermos as contas por baixo, com uma média de 10€ por conteúdo, já muitos 1000€ teriam sido gastos para que eu crescesse com um mínimo de inteligência.
4- Mesmo considerando uma biblioteca tão importante quanto um frigorífico, muitos conteúdos que me ajudaram a crescer não existem nas bibliotecas e é impossível que uma biblioteca seja diversa o suficiente para agradar a todos contendo todos os conteúdos. É aqui que entra a partilha de conteúdos, a biblioteca global onde vamos traçando o caminho do crescimento através dos conteúdos que vamos descobrindo.

Os Radiohead (e muitos outros) já disponibilizaram albuns e cada um contribuía como queria.
Quando compramos um CD, apoiamos o artista apenas numa pequena percentagem, tudo o resto vai para os intermediários. Quem é o pirata afinal?

O mundo está digital (economizam-se recursos materiais) e as mudanças são notórias e rápidas. Não é tempo de os intermediários e os artistas pensarem num novo modelo de negócio?