Incident At Oglala

Leonard Peltier


as work


Persistência

Uma vez criada, a água tem vindo a moldar todos os caminhos que percorre, quer se trate de um vasto oceano ou de um singelo ribeiro. Um ribeirinho consegue escavar o seu caminho na terra, ao longo do tempo, modificando-o à sua passagem. Isto acontece de tal modo que, se secasse, saberíamos que, antes, passava ali um ribeiro. Mas como é possível algo tão pequeno, deixar uma marca no Mundo? Persistência.

Não importa quem somos, o que temos ou quão poderosos e famosos somos. Para mudar o mundo não são precisos gestos exacerbastes; basta pequenos gestos, que incorporamos no nosso dia a dia e basta não desistir. Ás vezes parece um fardo demasiado grande para uma pessoa transportar, torna-se algo que incomoda o nosso psíquico e como tal, temos vontade de fechar os olhos ao que está mal. Mas quando um ribeirinho encontra uma pedra, ele não a esmaga, não volta para trás nem cessa: ele continua. A pedra, ao longo do tempo, acaba por se suavizar e ir tornando-se mais pequena devido à constante acção da água sobre ela. Quando a pedra, finalmente, desaparecer, a água correrá mais livre e velozmente.

Não te faças de derrotado, mesmo antes de lutar. Por onde passares, molda os corações e as mentes. Mas não os desfaças! Eles não são pedras, são apenas fontes à espera que lhes ensines a brotar água. Quando consegues, origina-se mais um ribeiro e, então, um dia, todos os pequeninos ribeiros se vão fundir e criar um novo oceano, que inundará a Terra de paz e afogará todo o sofrimento.
A Mãe Natureza e os seus filhos, incluindo nós, humanos, e os restantes animais, não têm de sofrer, não é, de todo, um mal necessário! Talvez achem isto um sonho utópico, mas eu prefiro pensar que não nasci só para sonhar.

Obrigada pela atenção. Eu escrevi isto, não tanto para sensibilizar outras pessoas mas, principalmente, para mim mesma. No meu caminho como activista animal e ambiental, tenho vivido muito… E tenho também assistido a coisas que me proporcionam uma dor que não consigo descrever, às vezes chego ao meu limite do suportável e então tenho necessidade de me afastar por um bocadinho, não ouvir, não ver nem falar sobre o assunto. Mas eu sei que não tenho esse direito, porque faço parte de uma minoria, minoria essa que é a única esperança para milhares de seres vivos… Às vezes conseguimos coisas maravilhosas, mas muitas vezes não conseguimos e é a pior frustração que eu já provei. Mas não desistimos, porque isso seria mais insuportável do que todas as vezes que tentamos e não conseguimos. Muitas pessoas chamam-nos freaks, doentes, fanáticos… mas tudo o que nós temos, é um grande grande amor pelos animais, por este planeta e pelas pessoas inocentes que sofrem todos os dias.

Cláudia P. Lopes
http://mewsa.deviantart.com/


Lifetime War

Nesta corrida de estafetas diária, o testemunho somos nós.