Il Paradiso Perduto

tomb_raider

Basicamente, há muito que procurava aquele sítio, mas sem grandes esforços nesse sentido.

Numa vulgar caminhada à procura de tudo, e de nada ao mesmo tempo encontrámos um senhor a mudar a água às azeitonas no meio duns arbustos. Assim que ele saiu, ficou descoberto um trilho.

Decidimos ver onde dava esse desconhecido trilho, sempre seguindo o que nos parecia ser um trilho, concerteza mais usado que visivel em todas as suas secções.
Começámos a subir, a escalar, a subir e quando demos conta já as pessoas que passavam no nosso ponto de partida pareciam formigas.
Subimos mais um pouco para ver onde dava; e quando demos conta, estávamos no topo d’A FENDA.

Descemos, rocha após rocha, e encontrámos algo que se classificaria como um submundo mesmo ali entre as praias e a estrada, com acesso meio tricky.

Havia umas vinte pessoas a escalar lá dentro, independentes umas das outras.
O sítio é dos mais maravilhosos que já encontrei, são duas paredes calcárias enormes, próximas uma da outra e com uma extensão maior que 1km.

Há árvores e vegetação, autênticas galerias a céu aberto; diria que entrei no Tomb Raider, fiquei sem perceber se estava algures num documentário BBC na América Latina ou ainda em Portugal.

Depois escalámos pelo sentido oposto ao qual tínhamos vindo e encontrámos estrada após 15min de caminho.
O caminho é também meio tricky, mas nada do outro mundo.
Uma ou outra secção escalada e uma fissura numa rocha com alguns 5m de profundidade e com 30cm de comprimento, nada não “saltável”, mas quando olhei para baixo fiquei com medo.

Um dos sítios mais maravilhosos e bonitos onde já estive, e quase à porta de casa.

Anúncios

Protesto Anti ACTA, Lisboa 11Fev2012

anti-acta protests

Embora não fosse muito visivel nos mass media, Lisboa foi palco de uma manifestação simultânea a muitas iguais pelo país e mundo fora. Cada um dos manifestantes, na sua maioria mascarados, teve direito à sua voz, a empunhar o megafone. Um protesto de todos e para todos, sem uma liderança central e com o aval comum.

Manifestação contra uma assinatura que permite criar uma lei que vai contra toda a liberdade que temos.
Ao alegar-se uma invenção, será possível patentear a mesma e restringir o acesso de tudo o que imaginarmos, seja educação (cultura, música, filmes), sementes, medicamentos, software, receitas; qualquer tipo de ideia…
E também, o que ninguém nos diz é que Portugal é um dos países que compactua com algo que se for aceite definitivamente, só terá tendência a crescer nas mais variadas formas.

Num mundo que se afirma cada vez mais aberto e para os pro-activos com vontade de arriscar, as grandes industrias são piegas, resistem à mudança e fazem birras porque o mundo digital e ávido de mudança que criaram lhes ameaça a zona de conforto.


O que é a ACTA?
Mais Imagens aqui


they call it global village

‎”We do not live in a global village, but rather in a global metropolis, a global train station inundated with ‘a crowd of loners'” (Ryszard Kapuscinski)

In fact, in villages people know each other.
One who created the expression “global village” talkin about television – and probably others applied it to the internet, mobile phones and social networks – is wrong.
It’s inversely proportional the capability of knowing more about each other and the closer we are from each others.

We share contents and what we are doing, not human heat.
We see lots of people everyday, but inside our cocoon.

“Nós não vivemos numa aldeia global, mas sim numa metrópole global, uma estação de comboios mundial inundada por uma multidão de solitários “(Ryszard Kapuscinski)

De facto, nas aldeias as pessoas conhecem-se umas às outras.
Aquele que criou a expressão “aldeia global” falando sobre a televisão – e provavelmente outros o aplicaram à internet, telemóveis e redes sociais – está errado.
É inversamente proporcional a capacidade de saber mais sobre os outros ao quanto mais perto estamos uns aos outros.

Nós partilhamos conteúdos e o que estamos fazendo, não o calor humano.
Vemos muitas pessoas todos os dias, mas dentro do nosso casulo (cocoon).